Em matéria do que se chamou "Acordo Ortográfico", sou contra. Absolutamente contra. Nem morto de morte matada ou morrida.



Escritores de rua

Ontem aprendi que «alma até Almeida» provém do facto de até atingir esta localidade ser sempre a subir. Hoje ensinaram-me que os varredores das ruas de Lisboa terão vindo daquela origem e por isso se chamam em memória corográfica «almeidas». Em tempos a garotada das ruas «alfacinhas», malta pulante de calção rachado e tez famélica chamava-lhes, pobres a apoucarem pobres, os «escrivães da pena longa». Com o surgimento dos eléctricos e seus carris de ferro, serpenteando com linhas paralelas as ruas irrequietas da capital, a «ganapada» atrevidota, gritava-lhes de arremesso o chiste: «agora já escrevem em papel pautado!». De vez em quando era vassourada que fervia.