Em matéria do que se chamou "Acordo Ortográfico", sou contra. Absolutamente contra. Nem morto de morte matada ou morrida.



Falsos cognatos e outros libertinos


Ora diga quem souber o que são "cognatos". São palavras que têm raízes comuns. Mas é preciso muito cuidado. Porque, no domínio da linguagem, tal como no mundo dos bípedes falantes, existe a malandragem dos falsos cognatos.
Para prevenir os mais incautos e ante o perigo de termos fronteira desguarnecida, eis os falsos aqui do lado. Estão aqui. Guardar para uso falante corrente.
Há, exemplo entre tantos, que anotar que as nossas «cuecas» equivalem aos «calzoncillos» ou às «bragas», já que o radical é diverso, embora o local onde o verbo assenta seja comum, o que abre a dúvida quando a «desbragado» poder ser o rabo-ao-léu dos "sans cullotes" que com Junot, Massena e Soult nos chegaram, de armas na mão sedentos de pilhagem, ou o libertino, fonte de pilhéria, que passeia por Braga, a idolátrica, o seu esplendor [e ver aqui]